skip to Main Content
Será Mesmo Inevitável Ficar Desdentado?

Será mesmo inevitável ficar desdentado?

Desdentado, uma realidade inevitável? Hoje vamos abordar uma questão bastante pertinente! 

Se não tiver uma boa saúde geral e sentir dor ou não conseguir comer ou mastigar confortavelmente ou sorrir sem constrangimentos, então quando for mais velho poderá não ter um futuro dentário tão risonho!

A comida é um dos poucos prazeres que nos acompanha ao longo da vida e, à medida que nos tornamos mais velhos, o prazer de comer muitas vezes torna-se um verdadeiro desafio.

PERDER OS DENTES É ALGO INEVITÁVEL À MEDIDA QUE ENVELHECE?

A utilização de próteses removíveis completas, para alguém desdentado, são algo que dificultam muito a mastigação e que altera o sabor dos alimentos, entre outros desconfortos, no fundo pode afetar mais do que apenas a mastigação!

Estes pacientes têm vergonha de ir jantar ou almoçar fora com a família ou amigos porque demoram muito tempo a mastigar qualquer coisa ou não conseguem encontrar nada no menu suficientemente suave. Outra característica frustrante das próteses é que podem estar desajustadas e movem-se para cima e para baixo enquanto conversam, sorriem ou comem. Comer maças ou bifes está completamente fora de questão e desta forma restringem a sua dieta a alimentos moles.

Felizmente, com a tecnologia e os tratamentos que existem hoje em dia, quase todas as pessoas em situação de desdentado podem ter dentes que lhes permitam mastigar corretamente, falar com clareza e sorrir sem se sentir constrangido – desde que procurem ajuda certa no momento certo.


QUAIS OS PROBLEMAS DENTÁRIOS QUE SURGEM A PARTIR DA IDADE ADULTA?

Sabemos, a partir de estudos recentes que muitas pessoas começam a ter uma série de novos problemas dentários durante a idade adulta avançada, como por exemplo:

– dentes fraturados ou partidos por se tornarem mais fracos ou por já terem grandes restaurações dentárias antigas;

– recessão da gengiva;

– um aumento acentuado de cáries dentárias, especialmente nas zonas onde as gengivas recuaram;

– síndrome da boca seca devido a alterações na saliva.

Estes são muitas vezes o resultado de mudanças na saúde geral ou de medicamentos que pode eventualmente necessitar de vir a tomar. Essas mudanças levam muitas pessoas a perder os dentes no momento em que são menos capazes de se adaptar a grandes mudanças e acabam por optar pelo uso de próteses dentárias removíveis.

desdentado

À MEDIDA QUE ENVELHECEMOS TER UMA BOA SAÚDE GERAL É ALGO FUNDAMENTAL?

Uma das poucas áreas do corpo que pode permanecer saudável e funcional na nossa vida adulta tanto quanto na adolescência é a saúde dos nossos dentes e boca.

Estudos recentes indicam que as pessoas que perderam mais dentes têm um risco aumentado de acidente vascular cerebral. Estas pesquisas revelam também outras ligações estabelecidas entre problemas dentários comuns e um aumento da incidência de doenças cardíacas, doenças pulmonares e diabetes.

Tornou-se claro que uma das coisas mais importantes a fazer ao longo dos seus anos em fase adulta é garantir que qualquer patologia ou condição dentária que tenha não aumente o risco de complicações e até problemas médicos que ameacem a vida quando entrar na 3ª idade.

Os dentistas sabem há algum tempo que menos dentes naturais significam que as pessoas não podem comer a ampla gama de alimentos necessários para uma boa saúde geral. Ser desdentado acarreta ter que usar próteses que conferem um poder de mastigação reduzido para cerca de menos de 20% do que com os seus dentes naturais e isso acarreta obviamente problemas digestivos.

COMER É UM DOS PRAZERES NATURAIS QUE TEMOS!

Há pouco tempo um paciente idoso confessou-me que: “A comida é um dos poucos prazeres duradouros da vida e à medida que se torna mais velho, o prazer de comer muitas vezes transforma-se num grande constrangimento do dia.” Este constrangimento é evidenciado pela utilização de próteses removíveis inadequadas.

Temos que ter presentes que a esperança média de vida está cada vez mais a aumentar e que esse período a mais que temos de vida deve ser considerado a nível de conforto dentário.

Outro ponto importante a ter em conta é que, quer tenha 50, 60 ou 70 anos, a sua saúde geral provavelmente não será melhor do que agora e portanto é importante pensar no futuro se quiser manter os seus próprios dentes. Se o fizer consegue ter à sua disposição um leque de opções de tratamentos dentários melhores, mais variados e mais duradouros do que apenas em tratamentos de urgências dentárias para as quais a única opção pode passar por extração de dentes e execução de próteses dentárias!

Ao fazer um excelente planeamento dentário junto do seu dentista está a garantir que a sua saúde oral mais tarde seja melhor. Por norma as pessoas tendem a adiar tratamentos de reabilitação oral total para pouparem dinheiro no imediato. Ao pensarem desta forma não entendem que o custo que a sua saúde oral vai ter ao longo dos anos com “remendos” vai ser muito superior, mais desgastante psicologicamente e cada vez mais difícil tecnicamente de reabilitar e a hipótese de ser desdentado passa a ser uma realidade.

Na minha prática clínica, e porque só faz sentido assim, reabilitamos a boca de um paciente na saúde, função mastigatória e estética por forma a garantir que naquele momento, naquela idade, aquele paciente teve o melhor tratamento dentário possível para evitar ter mais problemas dentários. Objetivo com esta prática clínica que os pacientes, a partir do momento que têm a sua reabilitação oral finalizada nos visitem apenas para check-up e consultas de higiene oral de 6/6 meses para, precisamente, controlar a sua saúde oral garantindo e salvaguardando o investimento que fez no seu sorriso!

Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje e marque a sua consulta comigo aqui!

Artigo Visão