skip to Main Content
Detesto Dentistas (Parte 1)

Detesto Dentistas (Parte 1)

Medo de ir ao dentista? Quem não tem ou não conhece alguém que tenha?

Começamos o nosso blog com este título ousado porque é sobre ele que queremos desmistificar todos os receios que as pessoas ainda têm de ir ao dentista.

Na realidade ninguém detesta dentistas e sim tudo o que o envolve na sua profissão. A cadeira de dentista pode combinar a soma de todos os medos com a dor, agulhas, médicos, espaços clínicos e os ruídos altos.

Se pensar bem, nós os dentistas não somos pessoas más, somos apenas aqueles que fazem o trabalho que nos compete mas com o rótulo de bad-guys.

Baseado em vários anos de observação foi fácil fazermos uma lista das 10 principais razões que levam as pessoas a detestarem dentistas, só de ouvir as histórias que os nossos pacientes partilharam connosco.

Para abrir a lista deixamo-vos com um pouco de humor sobre o tema Anti-Dentista de Seinfeld:


#1 – A agulha!

Nem nos atrevemos a deixar aqui uma imagem de uma agulha porque até isso arrepia quem tem este medo. Esta é a fobia que prevalece e surge para pessoas que têm medo de agulhas e injecções.

Medicina dentária sem anestesia não é uma opção e nos anos que correm a dor em consultório e até mesmo após o tratamento em casa é impensável.

A anestesia aplicada é a anestesia local providenciada pela injecção local do anestésico e aqui está o cerne da questão. O Momento da Verdade é exatamente este, o da administração da anestesia local e que inicia toda a relação médico-paciente.

É aqui que muitos médicos erram porque vêm apenas como objetivo principal a anestesia e não entendem que o processo, que dura entre 10 a 15min. para que o paciente fique anestesiado é a primeira experiência nas suas mãos e irá ditar toda a relação futura!

O Dr. Eduardo Bastos, tendo bem consciência deste valor e da importância deste procedimento na sua relação com os pacientes, desenvolveu uma técnica de administração que se rege principalmente pela disponibilidade de tempo que ele dispensa a esta fase e pela própria técnica de administração feita com precisão e alguma delicadeza. Une também esforços para que o material de administração/ agulhas não esteja demasiado visível ao paciente o aumento da ansiedade no paciente!

Portanto, podemos garantir que nesta fase inicial de cada tratamento, o desconforto na administração da anestesia será tido em conta e reduzido ao máximo que conseguirmos.

#2 – A Dor!

A questão mais presente na cabeça dos pacientes sempre que se sentam numa cadeira de medicina dentária é: “Será que vai doer?” e a nossa resposta é Não!

Hoje em dia a medicina dentária deve ser na sua prática confortável e fácil.

Toda a gente detesta a dor e se alguém já passou por uma dor de dente sabe o quão doloroso pode ser. Esta é a razão pela qual as pessoas associam os dentistas a dor.

Os nossos dentes são uma área do nosso corpo vulnerável e sensível e por isso a ameaça de dor de dente é muito real. Muitas pessoas já sentiram choques de dor no dentista e elas nunca mais querem sentir nada parecido novamente.

O controle da dor é extremamente importante, caso contrário a medicina dentária torna-se uma brutalidade e os dentistas serão desprezados por isso.

Toda a nossa equipa tem o cuidado de ir validando consigo se está confortável ao longo dos tratamentos por forma a fazer um reforço da anestesia ou agir em conformidade.

#3 – A Ansiedade!

A ansiedade é a sensação de pavor e apreensão geral antes e durante a consulta. Coloca a pessoa no limite e agrava o sofrimento que sente ficando completamente absorvida por ele. Mesmo que não haja nenhuma dor presente é a ameaça de dor e outros gatilhos de medo que constroem a ansiedade e fazem da sua visita uma má experiência.

Neste caso disponibilizamos aos pacientes, em casos de tratamentos longos, mais invasivos e em pessoas naturalmente muito ansiosas a possibilidade de serem sedadas.

A sedação proporcionada não é uma sedação inconsciente pois paciente está acordado, autónomo e colaborante mas completamente relaxado e sem qualquer ansiedade!

Objetivo – o conforto – e neste caso será para o paciente mas também para o médico que consegue tratar sem percalços, ele próprio também menos ansioso e no final o tempo de tratamento efetivo acaba por ser mais curto e eficaz.

 

medo de ir ao dentista#4 – A Broca!

Algumas pessoas não fazem parte de nenhuma razão das anteriores, excepto para o pavor da broca dentária. Esta arma de destruição, com toda a vibração, spray e ruído, torna-se um foco para a ansiedade do paciente. Quando ouvem esse som, o suor começa a surgir!

Na nossa clinica dispomos de material atual e recente pelo que são muito mais silenciosos, de qualquer forma, temos a noção de que dentro da boca os sons tendem a ser amplificados.

A nossa equipa faz um esforço para que durante a sua estadia na cadeira de dentista todos os ruídos sejam minimizados e desligados quando não estão a uso.

Dispomos de música ambiente e ainda outros confortos que a equipa irá providenciar no momento.

#5 – Ser Invasivo!

A medicina dentária é invasiva. Não podemos fugir a esta realidade. Estamos mesmo dentro da sua boca a realizar a nossa gengivo-jardinagem e a nossa dento-carpintaria. Este facto faz sem dúvida sentir uma invasão do nosso espaço pessoal.

Continuando a insistir num dos nossos objetivos – o conforto – a nossa equipa trabalha de forma cuidadosa, gentil e respeitosa minimisando ao máximo a invasividade da maioria dos tratamentos.

Por hoje é tudo! Iremos desvendar as restantes 5 razões pelas quais as pessoas detestam dentistas no próximo artigo!

Stay tuned!

Post Series: Detesto Dentistas